Preço doméstico do suíno tende à estabilidade e exportações seguem em alta

Expectativa no mercado de grãos é de recorde das exportações de milho


No mercado de suínos, o momento de mudanças constantes chama a atenção dos suinocultores. A alta das exportações e a oscilação do preço do animal vivo demandam acompanhamento do cenário por todos os elos da cadeia. Quanto aos embarques da proteína suína, os volumes exportados neste ano já superam em quase 23% o mesmo período de 2018. Houve um aumento de quase 70 mil toneladas e mais de 180 milhões de dólares no comparativo entre os dois anos, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Em julho de 2019, o volume exportado de carne suína in natura foi o maior registrado em um mês.

 

Tabela 1. Exportações de carne suína brasileira in natura (toneladas e receita) de janeiro a julho de 2019 e comparativo com o mesmo período de 2018.

Cenário dos embarques de carne suína: aumento para a China e redução para a Rússia

A China continua sendo o primeiro lugar em embarques. Em julho, o país importou o volume recorde de carne in natura para um mês, alcançando a marca de 23.533 toneladas. Chama a atenção, dentre os três maiores importadores de carne suína brasileira esse ano (China, Hong Kong e Rússia), a redução dos volumes embarcados para Hong Kong e os volumes reduzidos comprados pela Rússia nos últimos dois meses (tabela 2). Isso evidencia uma redução significativa do mercado russo, que já importou em torno de 40% da carne suína brasileira ao redor  de 250 mil toneladas em 2017) e hoje mostra-se praticamente autossuficiente na produção de suínos.

Além disso, observa-se uma crescente participação da China nas exportações brasileiras, representando quase 32% dos embarques de nossa carne suína in natura . Um alento para esta dependência do mercado chinês é que outros destinos, fora estes três principais compradores, aumentaram as compras em torno de 20 mil toneladas em relação ao mesmo período de 2018, contribuindo ao redor de sete pontos percentuais com o aumento das exportações.

Tabela 2. Volumes de carne suína in natura embarcada para os três principais compradores de 2019. Enquanto a China aumentou em quase 30% suas compras em relação ao mesmo período de 2018, Hong Kong reduziu em quase 10% e a Rússia, nos últimos meses, tem importado menos de 2 mil toneladas mensais, muito aquém do que comprou até 2017, quando detinha em torno de 40% do mercado de exportação do Brasil. (MDIC)

Reflexos no preço do suíno vivo e no preço pago ao produtor

O ritmo acelerado das exportações mantém o preço do suíno em patamar superior ao do início do ano, porém, houve um recuo significativo do preço pago ao produtor desde o mês de julho (gráfico 1). Depois de atingir valor recorde, houve uma acomodação do mercado. Embora a procura tenha aumentado, a crise econômica do Brasil e o baixo poder aquisitivo da população impediram que o aumento do preço do suíno vivo ocorresse na mesma proporção nas gôndolas.

Gráfico 1. Evolução preço do suíno vivo, em cinco estados (MG, SP, PR, RS e SC), nos últimos 60 dias, mostrando recuo no último mês, com tendência de estabilidade para as próximas semanas (Cepea - 2019)

Para o presidente da ABCS, Marcelo Lopes, mesmo com esta queda no preço do suíno pago ao produtor, ainda é possível obter margem financeira positiva na atividade. “Como as exportações devem se manter em alta e, historicamente, no segundo semestre o mercado interno se mantém firme, é pouco provável que o preço do suíno continue a cair. A tendência é de estabilidade com eventuais subidas no preço”.

Recorde na exportação de Milho

No mercado de grãos, o destaque é para o milho. A colheita da segunda safra brasileira, que já está praticamente concluída (Tabela 3), somada a primeira safra, resultará em volumes recordes, próximos a 100 milhões de toneladas. Assim, o preço do milho se mantém estável, com pequenas oscilações.

Tabela 3. Evolução percentual da área colhida de milho da segunda safra no Brasil. Até o início de agosto já era 85%, contra 41% do mesmo período do ano passado (MBAgro).

O ritmo das exportações do milho chama atenção. No mês de julho, atingiu-se o volume recorde de 6,3 milhões de toneladas (Tabela 4). Neste ano já são mais de 15 milhões de toneladas, um crescimento de 142% em relação ao mesmo período de 2018. As projeções (CONAB, MBAgro) são de que no período de fevereiro/19 a janeiro/20 sejam embarcados, no total, mais de 36 milhões de toneladas de milho, um recorde histórico.

Tabela 4. Exportações brasileiras de milho de janeiro a julho de 2019 e comparativo com o mesmo período de 2018.

Dois fatores pesam para aumentar a demanda internacional pelos grãos brasileiros, incluindo milho e soja. O primeiro fator é a guerra comercial entre China e EUA, que não dá sinais de arrefecimento e o segundo fator é o desenvolvimento da safra nos Estados Unidos, cujo plantio foi seriamente comprometido pelo clima chuvoso.

Já em relação à soja, embora as exportações do Brasil estejam menores do que no ano passado, o estoque de passagem de 2018/19 relativamente baixo, com uma pequena queda ocorrida na safra (Tabela 5), podem, no final do ano, comprometer em parte o abastecimento e elevar o preço do grão e do farelo de soja.

Tabela 5. Situação de oferta e demanda de soja no Brasil (1000 toneladas) em início de agosto de 2019, prevendo uma redução das exportações em relação a 2018 e estoque de passagem similar ao do ano passado (baixo). Conab/MBAgro.

O presidente da ABCS explica que o contexto das exportações e do mercado de grãos reforça o alerta para que o suinocultor não amplie seus planteis indiscriminadamente, apostando em demanda elevada por muitos anos. “É preciso investir na recuperação das crises sucessivas e melhorar as condições dos planteis e das granjas antes de expandir a atividade. Paralelo a isso, é importante que a cadeia valorize e fomente as iniciativas em prol do desenvolvimento do mercado interno, tais como a Semana Nacional da Carne Suína (SNCS), promovida pela ABCS e tantas outras campanhas regionais implementadas pelas associações estaduais”, apontou.

Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas