A hora e a vez da carne suína brasileira: proteína é capa da revista Saúde

A hora e a vez da carne suína brasileira: proteína é capa da revista Saúde

Edição traz os benefícios da proteína que tem conquistado o topo das opções saudáveis

 

Nesta semana a carne suína ganhou holofotes nacionais. A edição de abril da Revista Saúde, veículo conhecido por desmitificar conceitos relacionados à nutrição e alimentação, abordou a evolução da produção do suíno e os resultados dela no produto final: a carne suína.

Segundo a diretora de redação da revista, Lucia Helena de Oliveira, a matéria ganhou capa por meio do vice-presidente do Conselho Editorial da Editora Abril, Thomaz Souto Corrêa. Paulista de Mirassol e jornalista há 50 anos, Thomaz participou da criação e do desenvolvimento de algumas das mais influentes revistas brasileiras. Sempre que pôde, uniu sua atividade profissional a um dos prazeres que cultiva com mais dedicação: aquele proporcionado pelo pecado da gula. No editorial, Lucia Helena contou sobre o gosto do vice-presidente pela carne suína: “Quando você vai dar que a carne de porco faz bem? Isso sim eu gostaria de ver”, dizia o presidente à diretora de redação. Foi então que a carne suína passou a figurar a capa desta edição.

O conteúdo, permeado por especialistas como o zootecnista Elsio Figueiredo, da Embrapa Aves e Suínos; a nutricionista Renata Alves, do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia em São Paulo; além do bioquímico Jorge Mancini, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, esclarece dúvidas e desmitifica o conceito de que a carne suína é gordurosa. Com uma explicação rápida sobre a evolução do suíno, o jornalista André Biernath, destaca os avanços na produção de carne suína com redução de 31% de gordura, 14% nas calorias e 10% no colesterol.

Ilustrada com cortes suínos, a matéria apresenta dicas de como algumas partes do suíno podem ser mais saudáveis que as carnes de boi e de frango. Como exemplo, a revista cita o lombo suíno, localizado no dorso do animal, que é uma das peças mais magras e nutritivas. Apenas 100g do corte contém 35,7g de proteínas, 6,4g de gorduras, 103 mg de colesterol e 0,5mg de ferro, com apenas 210 calorias. Já a mesma quantidade de coxa de frango contém 215 calorias, sendo 28,5g de proteínas, 10,4g de gorduras, 1453 mg de colesterol e 1,2mg de ferro.

Para o diretor executivo da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Fabiano Coser, esta é mais uma conquista da entidade. “Todo o trabalho desenvolvido por nós há quase 10 anos tem trazido resultados positivos como esse. As informações corretas sobre a carne suína e suas qualidades aos poucos chegarão a todo brasileiro. Será uma questão de tempo para que a população perceba o sabor, qualidade nutricional e versatilidade presentes nos cortes suínos”, reforça.

Para a ABCS, é importante a mobilização de toda a cadeia na divulgação de informações como essas. “Para avançarmos no consumo, não bastam apenas ações de incentivo, é essencial que toda a cadeia esteja ciente da qualidade do nosso produto e dissemine esse conceito. A carne suína é a proteína mais consumida no mundo e o Brasil tem potencial para estar entre esses países”, destaca do presidente da ABCS, Marcelo Lopes.

Confira já nas bancas!

 

Fonte: ABCS
Publicado em 22/04/2013

Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas