ABCS divulga 37 mil exemplares de guia para varejo na Revista SuperHiper da ABRAS

 

ABCS divulga 37 mil exemplares de guia para varejo na Revista SuperHiper

O encarte aborda as vantagens, o potencial de vendas e a rentabilidadeda carne suína nos supermercados 


A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) divulgou na edição de maio da SuperHiper, Revista da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), entidade nacional de representação do setor, um encarte apresentando informações e oportunidade de negócios na venda da carne suína, como contrapartida ao Projeto Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (PNDS). Pela primeira vez, praticamente todos os pontos de venda de supermercados do país recebem informações técnicas sobre a carne suína, mostrando seus valores nutricionais e a oportunidade de negócios que representa. Em 32 páginas, a entidade abordou todos os aspectos que hoje inibem a comercialização da carne suína no país, com detalhes específicos da operação em supermercados, que representam 66% da distribuição do produto no Brasil.

Em parceria com a ABRAS e com recursos do Ministério da Agricultura, o encarte é mais uma entre as ações de marketing da carne suína no setor que a entidade vem realizando desde 2006. O conselheiro de relações de mercado da ABCS, Rubens Valentini, ressalta a participação direta pela publicação deste material, da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, conduzida pelo Secretário Márcio Portocarrero, que já colabora com a ABCS em diversas outras ações.

Como já acontece no mundo todo, a carne suína tem tudo para se tornar o carro-chefe da seção de carnes dos supermercados brasileiros, pois é considerada a mais saborosa pelo consumidor brasileiro e sua produção e consumo interno vêm aumentando ano a ano. Mesmo assim, a carne suína ainda tem seu consumo restringido em função de cortes apresentados em volumes grandes, associados à gordura, sinalizando dessa forma problemas como colesterol alto e outras doenças.

As experiências pilotos realizadas em diversos supermercados, mostraram que é possível conseguir expressivos aumentos nas vendas apenas mudando a forma de apresentar o produto na loja: em cortes diferenciados, parte deles sem gordura, embalados em porções para consumo individual ou voltados para uso específicos, como a nova série de peças para churrasco. No encarte, os supermercadistas encontrarão informações sobre a qualidade da produção do suíno brasileiro, os números de exportação, bem como valores nutricionais da carne suína. Há também orientações desde as novas formas de apresentação e alternativas de consumo até maneiras de fidelizar clientes e diferencias os produtos nas gôndolas. Irineu Wessler, presidente da ABCS, destaca a importância do encarte para a ampliação do consumo no país. “O foco desse projeto é orientar o supermercadista nas qualidades mercadológicas da carne suína, com o objetivo final de complementar outras ações que a entidade vem realizando na busca do aumento de consumo”.

 Comercialização da carne suína

O grande desafio enfrentado está na comercialização da carne suína que é ainda é feita em carcaças, que levam da indústria para o varejo itens que na maioria das vezes o consumidor não quer comprar, como a pele, a gordura e os ossos.  A ABCS tem desenvolvido ações dentro do PNDS em parceria com o Sebrae Nacional e CNA, que atuam diretamente nos frigoríficos, buscando aumentar a linha de processamento das indústrias fazendo com que a carne suína chegue ao ponto de venda mais próxima do produto que o consumidor deseja, porcionado e com cortes diferenciados.

Esse formato de venda, em bandas, para os supermercados não só limita a disponibilidade final de corte em proporções fixas, como também aumenta o trabalho dos supermercados, diminui o giro de vendas e aumenta o risco de perda, é que o explica o conselheiro de relações de mercado da ABCS, Rubens Valentini. “O suíno vendido em banda gera diversas despesas para o supermercado. Na maioria das vezes, há sobra de pele e gordura além de outros cortes poucos conhecidos pelo consumidor, que acaba sempre comprando cortes determinados. Isso aumenta o markup (termo que indica quanto do preço do produto está acima do seu custo de produção e distribuição) muito alto. Ou seja, se o varejo recebesse o produto pronto, o risco de perda seria menor e, consequentemente, o markup também” ressalta o conselheiro, e ainda conclui “a importância desse encarte é facilitar o trabalho do varejista, aumentando a atratividade para ao consumidor final. Pois, ao mesmo tempo que aumenta a venda, aumenta o giro, podendo atingir um markup menor, o que resultaria em menores preços no produto final”.

 Parceria gera bons resultados

Para o Diretor de Comunicação e Marketing da ABCS, Fernando Barros, todas a ações que a entidade tem realizado nos últimos anos somente foram possíveis pelas parcerias conquistadas. “Com o objetivo de alavancar as vendas de carne suína, não poderíamos deixar de incluir um setor tão importante da cadeia, que atualmente responde por 66% da vendas de carne suína. A parceira com a ABRAS é de extrema importância para o projeto como um todo, sem esse apoio não conseguiríamos realizar a revolução nas gôndolas dos supermercados brasileiros”.

O encarte estará disponível também no site da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (www.abcs.com.br) e da Associação Brasileira de Supermercados (www.abrasnet.com.br).

 

Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas