ABCS debate retirada da vacina contra febre aftosa

A entidade participou de audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília


O departamento político institucional da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS) acompanhou, na última terça-feira (08/ 10), a audiência pública na Câmara dos Deputados sobre o fim da vacinação contra febre aftosa. O debate ocorreu na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR), a pedido do presidente da Frente Parlamentar Mista da Suinocultura, deputado Schiavinato (PP-PR) e também pelo deputado Jeronimo Goergen (PP-RS).

A audiência contou ainda com a presença de representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná e também da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de Santa Catarina.

Um dos destaques da CAPDR foi para o estado do Paraná, que segue para ser o segundo estado brasileiro livre da febre aftosa sem vacinação. Para o secretário de Agricultura do estado, Norberto Ortigara, já passou o tempo da evolução. “Essa doença foi sendo reduzida a pó ao logo de 50 anos. O último episódio no Paraná foi em 2005, que nos custou bilhões de reais. Já não temos evidência de circulação viral no Brasil nem na América do Sul há algum tempo e mesmo assim praticamos a vacinação de uma doença que não existe mais. A retirada da vacinação é um momento importante e aumenta a responsabilidade de todos”, afirmou o secretário estadual.

O presidente da Frente da Suinocultura, deputado Schiavinato explicou que retirada da vacina no PR poderá contribuir para que os produtos da pecuária estadual alcancem mercados internacionais mais exigentes e que pagam melhor. “Estamos seguros de que o processo de consolidação do sistema sanitário do Paraná se construiu ao longo de décadas”.

Na esfera nacional, há dois anos, o Mapa lançou o Programa Nacional de Febre Aftosa (PNEFA) que atua na prevenção à doença e tem como estratégia principal a implantação progressiva e manutenção de zonas livres da doença, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Segundo o diretor substitutivo do departamento de saúde animal e insumos agropecuários do MAPA, Bruno Cotta, que participou do debate, a retirada da vacina interfere diretamente na imagem do Brasil nos mercados internacionais.

Para o presidente da ABCS Marcelo Lopes, debates como esse são essenciais para dar subsídio e informação qualificada aos produtores. “Sabemos que a retirada da aftosa é um tema muito pertinente e impacta a suinocultura nacional. Entendemos também que há divergência de opinião no setor e por isso, hoje acompanhamos com cautela o que está na mesa de discussão, para assim levarmos às afiliadas da ABCS as atuações e estratégias do governo”.

Fonte: ABCS

Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas