ABCS celebra 64 anos de atuação em defesa da suinocultura

Presente e atuante desde 1955 na suinocultura brasileira, a entidade nacional hoje se consolida como referência pelo seu trabalho em prol do desenvolvimento do setor


No dia 13 de novembro de 1955 nascia a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS). Tudo começou na cidade de Estrela, no Rio Grande do Sul, onde 48 produtores de diferentes estados se reuniram e iniciaram uma representação organizada para a suinocultura. Em poucas décadas, a ABCS levou o Brasil a ser reconhecido hoje como o quarto maior produtor e exportador mundial de suínos. Nesta quarta-feira (13/11), a ABCS celebra os seus 64 anos e com eles todas as conquistas da entidade nacional, que agrega uma cadeia consolidada e reconhecida como referência internacional de qualidade.

O movimento de criação da associação iniciou-se em 1940. Naquela época, uma grande mudança impactou o setor. A criação dos animais ocorria em ambientes domésticos, onde os suínos eram produzidos para o uso da banha. Com a entrada dos óleos vegetais no mercado, os suinocultores tiveram de se adaptar e produzir uma carne suína mais saudável, diminuindo o percentual de gordura.

Já em 1950, a ABCS firmou convênio com o Ministério da Agricultura e iniciou o serviço de registro genealógico, um marco para a produção. O rebanho nacional passava por um processo de melhoramento e a ração balanceada foi introduzida na criação dos suínos, mudando a estrutura do suíno produzido no Brasil. A idade do abate foi reduzida e as técnicas de manejo e cuidados com instalações foram aperfeiçoados.

O setor teve de se reerguer na década de 60, após enfrentar um surto de febre aftosa, que dizimou 30% dos rebanhos paulista, mineiro e do norte do Paraná. Mais tarde, os produtores se depararam com outra adversidade. A Peste Suína Africana atingiu mais de 60 mil suínos e levou à criação de um programa de combate à doença.

Ao longo dos anos seguintes, a suinocultura foi se fortalecendo e as conquistas chegaram aos poucos. Novos associados se integraram à ABCS e, assim, com as sedes das afiliadas, foi ampliada a presença da entidade nos estados. Com uma cadeia de valor bem desenvolvida, a ABCS participou de discussões políticas em defesa da evolução da suinocultura no Brasil e também passou a ganhar projeção internacional, com participação em encontros e seminários iberoamericanos.

Em 2009, o Sebrae se uniu à ABCS e ajudou a construir um novo olhar sobre a carne suína, com a criação do Programa Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (PNDS). O projeto aprovado em parceria com os estaduais, previa ações diversas em prol da suinocultura e tinha como objetivo contribuir para a inovação e estruturação da cadeia de valor por meio da gestão do conhecimento e da inter-relação entre os elos da produção, indústria e comercialização. A parceria completou 10 anos este ano. Mais de 2 mil ações já foram realizadas, como palestras técnicas para produtores, consultorias em granjas, seminários de sustentabilidade, treinamentos, palestras de qualidade da carcaça, cursos de cortes suínos e de boas práticas industriais. 97 mil produtores em 16 estados brasileiros foram capacitados.

A ABCS hoje

Todas as experiências acumuladas ao longo de seus 64 anos impulsionam a instituição a olhar com energia e disposição para os novos desafios que surgem continuamente. Este ano a atuação da associação contou com um volume expressivo de realizações em prol do desenvolvimento do setor, como o 18° Seminário Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (SNDS), realizado nos dias 1 e 2 de agosto e a concretização da Semana Nacional da Carne Suína 2019, entre 26 de setembro a 13 de outubro, que reuniu os maiores grupos do varejo brasileiro na missão de promover o consumo da carne suína.

Além disso, houve intensa produção de conteúdo a fim de disseminar a potência da atividade suinícola, como o novo pacote de comunicação, a criação do inédito livro de receitas“ O Grande Livro da Carne Suína” e o estudo de consumo “Carne Suína: a atual visão do consumidor”, que trouxe informações de qualidade à cadeia de suínos nacional (produtor, indústria e varejo), identificando oportunidades, desafios e estratégias mercadológicas.

A atuação técnica também teve destaque, com os workshops de sanidade, visando reduzir o risco de entrada das principais doenças da suinocultura no Brasil. O desempenho da área política também foi marcante, trazendo a valorização da cadeia com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e de representações como a Frente Parlamentar da Agricultura e a Frente Parlamentar da Suinocultura.

Para o atual presidente da ABCS, Marcelo Lopes, o trabalho desenvolvido pela entidade até o momento atual ajudou a quebrar paradigmas, a aumentar a valorização e a competitividade de toda cadeia suinícola. Ele também pontua que ainda há desafios pela frente. “Acreditamos que a integração entre os elos da cadeia e o trabalho conjunto ajuda a demonstrar a qualidade na produção e consequentemente a qualidade da proteína suína na mesa do brasileiro. O desafio que temos atualmente é de inserir a carne suína da lista de compras da população, instituindo o hábito do consumo”.

Confira o vídeo de 64 anos da ABCS: https://bit.ly/32J37Rl

Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas