Notícias

Fale com a comunicação da ABCS

Voltar Publicado em: quinta-feira, 3 de dezembro de 2020, 10h34

ABCS representará o Brasil em evento internacional de suinocultura

A Diretora Técnica da ABCS, Charli Ludtke, palestrará na programação oficial da PorcShow 2020, em um painel composto por representantes da Espanha, China, Alemanha, Estados Unidos e Canadá

A Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS) representará o Brasil na 7ª edição do  Le Porc Show, evento Canadense organizado pela Associação das Indústrias de Nutrição Animal e Cereal de Quebec (AQINAC), em parceria com a Associação de Criadores de Suínos e a Associação de frigoríficos de Quebec, que reúne os principais nomes da suinocultura mundial para debater temas de relevância no setor. Realizado pela primeira vez de forma online, as palestras começaram no dia 25 de novembro e vão até o dia 9 de dezembro, podendo ser acompanhadas gratuitamente via Zoom, em inglês e francês. Uma oportunidade inédita!

Clique aqui e faça a sua inscrição!

Como a única mulher participante, a diretora técnica da ABCS, Charli Ludtke estará representando não apenas o Brasil e a ABCS, mas todas as profissionais do setor, que aprimoram os diversos elos da cadeia da suinocultura nacional (do campo à indústria). Durante o ano de 2020 a diretora esteve à frente de diversas iniciativas colaborativas entre instituições brasileiras, em especial o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), e também outros países, com a elaboração de materiais técnicos, livros, além de 13 Webinars que conseguiram projetar a ABCS e a suinocultura brasileira internacionalmente, buscando minimizar os impactos da pandemia (COVID-19) ao setor, contribuindo para a mitigação de fatores de risco no setor. Ela se apresentará na quarta-feira, dia 09 de dezembro, às 12h15 (horário de Brasília) e abordará o tema BRASIL: A INDÚSTRIA SUÍNA DURANTE O COVID – O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO MUNDO?. A suinocultura brasileira tem chamado atenção, entre os players mundiais, por conseguir manter a produção durante a pandemia, contribuindo para a estabilização do PIB e também ampliando a exportação, batendo recordes nos volumes de carne suína exportadas principalmente para a China, um importante parceiro comercial.

“O Brasil é o quarto maior produtor e exportador de carne suína, 81% se mantém no mercado interno e 19% é exportada para mais de 70 países. Com relação ao PIB da cadeia de produção de suínos, atingimos US$ 16,2 bilhões de dólares somente este ano. Em 2019, a participação do agronegócio no PIB Brasil foi 23,5%, e para o ano de 2020, estimamos que o PIB do agronegócio aumente 6,75%. Nesses últimos três anos, observamos evoluções tanto no volume de suínos abatidos quanto na produção brasileira de carne suína. Passando de 43 milhões de suínos abatidos em 2017, para 46 milhões em 2019. Já a produção de carne suína, aumentou de 3.75 milhões de toneladas em 2017, com a estimativa de fechar em mais de 4 milhões de toneladas em 2020. Com relação à exportação de carne suína, o Brasil vem aumentando o seu volume nos últimos anos, muito impulsionado pelo importante parceiro comercial asiático, que é a China. De 2018 a 2019 tivemos um crescimento de 19,3% e a projeção para este ano é de um aumento de 22% em relação à 2019. Passando de 861 mil toneladas para 1.050 milhão de toneladas” explica a diretora. 

Além disso, Ludtke pretende também falar sobre todo o aprendizado acumulado ao longo do ano através do compartilhamento de experiências entre países, os trabalhos colaborativos que propiciaram a realização dos Webinars, o tema em pauta de bem-estar animal, uso prudente de antimicrobianos, saúde única e sistemas sustentáveis de produção. “Com todas as experiências que adquirimos atuando no enfrentamento da COVID-19, nos fica a lição aprendida quanto a valorizarmos e redobrarmos a atenção quanto aos cuidados com a saúde pública, proteção dos colaboradores envolvidos na cadeia e a segurança dos alimentos. Felizmente no Brasil nossos sistemas de fiscalização e inspeção de carnes são muito bem estruturados por parte dos serviços veterinários oficiais e a iniciativa privada representada pelas agroindústrias. Mas temos que continuar nos aprimorando. Todos nós devemos ir além e compartilhar responsabilidades, visando uma suinocultura mais sustentável com saúde do rebanho, bem-estar dos animais, uso prudente de antibióticos, boas práticas agropecuárias e segurança do alimento, além de um sistema de fiscalização sanitária confiável e transparente com conectividade e rastreabilidade” conclui. 

Confira a programação da PorcShow no horário de Brasília: 

09/12

10:00 Abertura 

10:15 Evolução da Produção Suinícola na Espanha 

11:05 China: a Indústria Suinícola durante a Covid 

11:40 Alemanha: a Indústria Suinícola durante a Covid 

12:15 Brasil: a Indústria Suinícola durante a Covid 

12:45 Estados Unidos: a Indústria Suinícola durante a Covid 

13:20 Canadá: a Indústria Suinícola durante a Covid 

13:50 a 14:10 oficinas e palestras com foco em gastronomia 

14:35 Principais desafios no setor suinícola – o que os consumidores podem esperar? 

15:00 Retrato do cliente atual: 10 tendências principais no setor alimentício