Porco é a carne da vez em Minas

Porco é a carne da vez em Minas

Balanço do IBGE mostra que abate de suínos no estado cresceu 9,2% em 2011, enquanto o de bovinos e aves caiu


Aves e bovinos deram lugar à carne suína na mesa dos mineiros no ano passado. O tratamento dispensado ao produto, com cortes especiais e baixa quantidade de gordura, tem sido um motivo e tanto para que o consumidor se sinta atraído a comprá-la. O balanço do abate de animais e produção de leite e ovos em Minas, divulgado nessa quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que no ano passado o corte de suínos teve aumento de 9,2% em comparação com 2010. Enquanto isso, o total de aves e bovinos abatidos caiu no estado. “O suíno está mais bem apresentado. Antes tinha certo preconceito por ser mais gordurosa. Mas hoje se tem até picanha de porco”, afirma o supervisor de Pesquisas Agropecuárias do IBGE, Humberto Silva Augusto, justificando o fato de o consumidor ter optado pela carne mesmo com o crescimento da renda.

 


A queda no abate de bovinos também é influenciada por outras variáveis: os preços altos da carne de boi no mercado interno e, além disso, muitos produtores abateram matrizes e até mesmo gado leiteiro na crise do setor entre 2006 e 2008, segundo o especialista. Com isso, houve redução do total de cabeças. Ao todo, no ano passado, foram abatidos 2,09 milhões de cabeças de gado, enquanto em 2010 o total foi de 2,39 milhões. Ou seja, houve redução de 12,3% na comparação entre os períodos, o equivalente a quase oito vezes a queda no país, que foi de apenas 1,6%. No entanto, no último trimestre, houve certa recuperação, apresentando no período a menor diferença percentual do ano: -4,93%, enquanto entre abril e junho a variação foi de -17,96%.

Obedecendo à mesma tendência dos bovinos, o abate de frangos em Minas teve queda de 2,2%, enquanto na média nacional houve crescimento de 5,6% na produção. No ano passado, foram 363 milhões de aves destinadas ao abate, ante 371 milhões em 2010. Repetindo a recuperação do setor, no último trimestre do ano passado foram abatidas quase 100 milhões de aves – total recorde para a série histórica iniciada em 1997. “Um terço do volume de frango é destinado a exportação, enquanto a carne suína é muitas vezes barrada no exterior, como ocorreu no caso da Rússia. Por isso, a produção é quase exclusiva para o território nacional, enquanto uma parcela considerável das aves é abatida lá fora”, afirma o supervisor do IBGE.

Leite O levantamento mostra ainda que Minas fechou o ano com mais de um quarto do mercado nacional de leite, apesar da redução do consumo. Enquanto na média do Brasil houve aumento de 3,9% na aquisição de leite no comparativo entre 2010 e 2011, em Minas foi registrada redução de 0,6%, ficando em 5,57 bilhões de litros. O especialista explica que a redução mineira pode estar ligada à produção artesanal de queijo e ao consumo de leite pelo produtor. Enquanto no estado cerca de 70% do volume é adquirido por estabelecimentos inspecionados pelo governo federal, no país a média é de 93%.
Fonte: Estado de Minas
Publicado em 30/3/2012
Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas