Presidente da APS foca na recuperação do setor

Presidente da APS foca na recuperação do setor

 

O empresário Darci José Backes, de Toledo, é o novo presidente da Associação Paranaense de Suinocultores (APS). Backes assume a entidade que representa os interesses da suinocultura paranaense em meio a um processo de recuperação da atividade no Brasil, em resultado de uma combinação do equilíbrio da produção e do consumo, com a estabilidade do preço de um dos principais insumos, a soja, e o crescimento das exportações de carne suína para os mercados europeu e asiático, além do incremento do consumo interno.

A posse de Darci Backes na presidência da APS ocorreu em solenidade realizada na manhã deste sábado, 05 de janeiro de 2013, na sede própria da Associação Paranaense de Suinocultores, na Rua Conselheiro Laurindo, 809, 9º andar, em Curitiba, sede adquirida coincidentemente por outro toledano, o empresário João Luiz Seimetz, na década de 80.

O novo presidente da APS foi eleito em 10 de novembro do ano passado, junto com outros suinocultores de várias regiões do estado, sendo que além de Darci Backes, como presidente, a nova diretoria é composta por Jacir José Dariva (Vice-presidente Administrativo); Severino Antunes Bezerra (Vice-presidente Técnico).

Reny Geraldi de Lima (Vice-presidente Organizacional) e Sergio Luis Barbian (Vice-presidente Comercial). O Conselho Fiscal é formado por Gilberto Antonio Minosso, Gilberto João Rossi e Olindo Tadeu Butewicz (efetivos) e Artemio Rotta, Wilson Chiossi Gnoatto e Antonio Alceu Pressotto (suplentes). Os delegados junto a ABCS passam a ser Norberto Manz, Beate Von Staa e Nelson Otávio Minozzo.

Participaram da posse da nova diretoria da APS, produtores, técnicos e lideranças do setor. A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) foi representada por Fabiano Coser, Diretor Executivo da entidade.

Na opinião de Coser, a posse da nova diretoria da APS é uma oportunidade para que os criadores de suínos do Paraná fortaleçam a entidade, recuperando o apoio da classe no estado, que é um dos maiores produtores do Brasil e que, atualmente, tem pouca representatividade.

“É um momento para se repensar o papel da suinocultura paranaense no cenário nacional, no sistema da suinocultura, ou seja, de repensar o que se quer da atividade no estado”, afirmou Fabiano Coser, que acredita numa maior participação do Paraná na discussão dos temas relacionados ao sistema, como já ocorreu em outras épocas, e de uma maior aproximação entre a entidade e as demais instituições que atuam, inclusive, na área de capacitação.

Depois de empossado, o novo presidente da Associação Paranaense de Suinocultores prometeu oxigenar as atividades da entidade e lutar por melhores incentivos e fortalecimento da classe dos produtores, que continua enfrentando sucessivas crises e contabilizando prejuízos nos últimos anos.

“Estaremos abertos a ideias, aproveitando todas as sugestões que forem pertinentes e que fortaleçam a atividade, somando esforços para aglutinar a entidade”, disse o novo presidente da APS.

Crise

Em 2012, o período mais crítico para os suinocultores se estendeu até meados do mês de outubro, com a atividade amargando sérios problemas em decorrência do alto custo de produção. Agora, com o preço médio da saca de soja na região Oeste do Paraná em torno de pouco mais de R$ 60, as perspectivas para a suinocultura em 2013, se tornam um pouco mais animadoras e otimistas, uma vez que a saca de soja chegou a quase R$ 80. Ou seja, a estabilidade do preço da saca de soja deve minimizar o custo de produção e proporcionar dias melhores para a atividade neste novo ano, com tendência de recuperação.

Exportações

Por outro lado, o comportamento das exportações, especialmente no final do ano passado, com alta de até 40% se comparados índices dos meses anteriores, sendo que os países para quem o Brasil mais exportou carne suína foram Ucrânia (131.459 toneladas, ou seja, 24,26% do volume exportado); Rússia (121.459 toneladas, que correspondem a 22,45% das exportações) e Hong Kong (113.788 toneladas, ou 21,03% do produto exportado).

No total, a exportação brasileira de carne suína atingiu, de janeiro a novembro de 2012, o total de 540 mil toneladas, gerando uma receita de US$ 1,4 bilhão. A alta nas exportações indica crescimento de 12,83% em volume e 4,54% em valor, em relação a igual período de 2011.

 

Fonte: O Presente
Publicado em 07/01/2013

Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas