Notícias

Fale com a comunicação da ABCS

Voltar Publicado em: sexta-feira, 20 de janeiro de 2023, 8h38

2023 inicia com indicadores positivos para a suinocultura, mas custo ainda preocupa

Confira o primeiro boletim de mercado do ano!

Janeiro é sempre um mês desafiante para a suinocultura, mês de queda na demanda interna e externa e com estoques remanescentes do fim do ano anterior que acabam pressionando para baixo os preços pagos ao produtor. Porém, 2023 apresenta indicadores bem mais favoráveis que o início do ano passado, tanto nos preços praticados no mercado doméstico, quanto nas exportações.

Comecemos pela análise dos embarques internacionais. O ano de 2022 fechou com volume exportado de carne suína in natura da ordem de 1.013.739 toneladas (tabela 1), apenas 1.436 toneladas a menos que o ano anterior (-0,14%). Em receitas a redução foi de 2,7% (-US$ 67,5 milhões), com 2022 fechando em US$ 2,407 bilhões, contra US$ 2,475 bilhões em 2021. A China, que já representou mais de 55% dos embarques, terminou 2022 com pouco mais de 43% do volume exportado.

Tabela 1. Volumes exportados totais e para a China de carne suína brasileira in natura em 2020, 2021 e 2022 (em toneladas) e comparativo da diferença percentual entre 2021 e 2022. Elaborado por Iuri P. Machado, com dados da Secex.

Embora 2022 tenha sido o pior ano em volumes embarcados para China desde 2020, se analisarmos somente os últimos 5 meses (de agosto a dezembro/22), esta sequência foi a melhor em exportações brasileiras de carne suína in natura para o gigante asiático em um final de ano, totalizando quase 230 mil toneladas. Além disso, desde agosto/22, o preço médio em dólar da carne vendida para a China tem crescido mensalmente (tabela 2), sendo que o valor de dezembro passado (US$ 2.687/ton) é o maior desde junho de 2021 e é 26,5% maior que dezembro de 2021 (US$ 2.124/ton). Estes são fortes indicativos de que a China tem retomado consistentemente as compras do Brasil, devendo se manter em alta por mais alguns meses.

Tabela 2. Média mensal de carne suína in natura embaraçada para a China em 2022 e 2021 e preço médio (FOB) em dólar e reais. Elaborado por Iuri P. Machado, com dados da Secex e CEPEA.

Com relação a outros compradores da nossa carne suína, o ano de 2022 foi marcado pelo crescimento de alguns destinos importantes (tabela 3), com destaque para Filipinas, Singapura e Tailândia, além da habilitação de plantas para dois importantes mercados: México e Canadá que, por enquanto não figuram como compradores significativos de nossa carne, mas são importantes players no mercado mundial, com bom potencial para o futuro, além de chancelarem a sanidade do rebanho brasileiro.

Tabela 3. Volumes exportados de carne suína brasileira in natura em 2021 e 2022 por destino, em toneladas e valor em dólar (FOB) e diferença em toneladas e percentual entre os dois anos.

Elaborado por Iuri P. Machado, com dados da Secex.

Em relação aos Estados de origem das exportações a região Sul continua liderando, com 93,8% de todos os embarques (tabela 4).

Tabelas 4. Volumes exportados de carne suína brasileira in natura em 2022.
Fonte: Secex.

Quanto ao mercado doméstico, é preciso entender os movimentos sazonais e as tendências de crescimento da produção. Ainda não temos números finais de produção do ano de 2022, mas dados publicados pelo IBGE, referentes ao segundo e terceiro trimestre do ano passado, já indicavam redução significativa no ritmo de crescimento da produção e disponibilidade interna de carne suína. Isso determinou o crescimento do preço do suíno, com pequenos recuos, desde março/22 até dezembro/22, como demonstra o gráfico 1, a seguir.

Gráfico 1. Preço (R$/kg) da carcaça suína especial em São Paulo (SP) nos últimos 2 anos, até 13/01/23.
Fonte: CEPEA

Conforme comentado anteriormente, a queda da cotação do suíno no início do ano é previsível. No mesmo gráfico 1 é possível perceber o recuo da cotação das carcaças em janeiro/23 (média até dia 13/01/23). Porém, esta queda de preço foi bem menor que aquela observada no mesmo período do ano passado, o que pode ser mais bem visualizado na sequência do gráfico 2 (dez/21 a 13/01/22) e do gráfico 3 (dez/22 a 13/01/2023), a seguir:

Gráfico 2. Evolução diária do preço (R$/kg) da carcaça suína especial em São Paulo (SP) entre 01/12/2021 (R$ 10,73) e 13/01/2022 (R$ 8,37), queda de 22%.
Fonte: CEPEA
Gráfico 3. Evolução diária do preço (R$/kg) da carcaça suína especial em São Paulo (SP) entre 02/12/2022 (R$ 10,65) e 13/01/2023 (R$ 10,49), queda de 1,5%.
Fonte: CEPEA

Os gráficos 2 e 3 evidenciam que, embora tenha havido queda nas cotações das carcaças em SP, na virada dos anos 2021/22 e 2022/23, neste último período a queda foi bem mais suave que no período anterior, com alguns dias de alta em dezembro/22.

Estes sinais do mercado doméstico e de exportação indicam que 2023, do ponto de vista de valorização do suíno, deve ser um ano de melhor ajuste entre oferta e demanda. Fica o questionamento quanto ao custo de produção, se permitirá margens positivas suficientes para recuperar ao menos parte dos prejuízos da grave crise que assolou o setor nos últimos anos. No gráfico 4, é possível visualizar que o milho se manteve em 2022 em patamares de preço inferiores ao ano anterior, porém, o farelo de soja foi a matéria-prima que mais pesou na elevação do custo da ração, representada pelo MIX (74% de milho e 26% de farelo de soja).

Gráfico 4. Cotação da carcaça suína especial em São Paulo (R$/kg) e preço do kg dos principais insumo: milho, farelo de soja e o MIX de milho (74%) e farelo de soja (26%) que compõem as rações, de jan/21 a dez/22. Valores mínimo e máximo da carcaça no período rotulados no gráfico. Eixo da esquerda com valores dos insumos e da direita com valor da carcaça.
Elaborado por Iuri P. Machado sobre dados do CEPEA e AGIGO (cotação farelo de soja em Rio Verde/GO)

Se analisarmos a relação de troca do kg do suíno vivo (MG) com o kg dos principais insumos (gráfico 5), quanto menor o valor pior para o suinocultor, concluímos que fevereiro/22 foi de fato o fundo do poço, havendo uma recuperação paulatina do poder de compra ao longo do ano e ficando relativamente estável nos últimos meses.

Gráfico 5. Relação de troca entre o preço do suíno em Minas Gerais (R$/kg vivo) e o kg dos principais insumo: milho, farelo de soja e o MIX de milho (74%) e farelo de soja (26%) que compõem as rações, de jan/21 a dez/22. Pontos extremos (mínimos e máximos) rotulados no gráfico. Quanto maior a relação, mais favorável ao suinocultor.

Elaborado por Iuri P. Machado sobre dados do CEPEA e AGIGO (cotação farelo de soja em Rio Verde/GO)

Cruzando os dados dos gráficos 4 e 5 é possível concluir que o preço do suíno (vivo ou carcaça) já não é o principal fator de preocupação, mas sim os custos dos principais insumos (milho e farelo de soja), pois a relação de troca não subiu na mesma proporção que o preço do suíno. Se por um lado temos um horizonte promissor em relação ao ajuste da oferta de carne suína à demanda, por outro ainda não se percebe sinais de arrefecimento dos custos no curto prazo.

O último levantamento da safra 2022/23 publicado pela CONAB ainda prevê produção recorde de soja e milho, mesmo com alguns problemas climáticos em determinadas regiões produtoras. Com relação ao milho, o estoque de passagem previsto para 31/01/23 de 5,28 milhões de toneladas (tabela 5) é relativamente baixo, considerando que a primeira safra de milho (verão) a ser colhida principalmente entre fevereiro e março será ao redor de 26,4 milhões de toneladas, em torno de 21% de todo milho a ser produzido na safra 2022/23, sendo os demais 79% (quase 100 milhões de toneladas) esperados para a segunda safra, ainda não plantada e que deverá ser colhida no meio do ano, principalmente na região centro-oeste e no Paraná.

Tabela 5. Balanço de oferta e demanda de MILHO no Brasil (em mil toneladas). Dados da safra 2022/23 atualizados em 12/01/23, sendo estoque final previsto para 31/01/23.
* 2022/23 previsão.
Fonte: Conab

Este estoque de passagem de pouco mais de 5 milhões de toneladas baseia-se na projeção de exportações do período (de fev/22 a jan/23) da ordem de 43,5 milhões de toneladas, porém, no acumulado de janeiro/23, com dados até 13/01, já foi exportada uma média de 295 mil toneladas de milho por dia útil, totalizando 2,95 milhões de toneladas até dia 13/01. Considerando a média embarcada na última semana, o mês de janeiro/23 ultrapassará as 5,5 milhões de toneladas, acumulando um total de mais de 46 milhões de toneladas no período considerado entre fev/22 e jan/23 (tabela 6). Confirmando-se este embarque o estoque de passagem será inferior a 5 milhões de toneladas.

Tabela 6. Exportações de MILHO do Brasil (em toneladas) em 2022 e 2021 e valores em R$ da saca de 60kg exportada e em Campinas – SP.
*dados de export. de janeiro/23 projetados sobre o real acumulado até dia 13/01/23, prevendo a média diária embarcada na última semana para o restante do mês.
Elaborado por Iuri P Machado sobre dados da Secex e CEPEA

Para o presidente da ABCS, Marcelo Lopes, previsões sempre estão sujeitas a erros e correções. “Baseando-se em informações atuais, ponderando sobre o que aconteceu no passado, e constantemente revisando estas projeções, além de acompanhando alguns indicadores e movimentos do mercado, hoje ainda podemos afirmar que as perspectivas para a suinocultura em 2023 são boas, mas é preciso acompanhar fatores que interferem na demanda de nossa carne suína e, principalmente, nos custos de produção, tais como: produção e exportação de carne suína da União Europeia (hoje em baixa), movimentos do mercado chinês (velocidade de recuperação do rebanho que foi reduzido ano passado), câmbio influenciando nossas exportações de carne e grãos, clima brasileiro e realização da primeira e segunda safra de milho, demanda mundial de grãos e situação de outros grandes exportadores de commodities (Argentina e Ucrânia), crise mundial anunciada como consequência da pandemia e da guerra da Ucrânia e conjuntura econômica brasileira”, conclui.