Notícias

Fale com a comunicação da ABCS

Voltar Publicado em: quarta-feira, 11 de janeiro de 2023, 10h40

Tendências: O que há de novo para o marketing digital em 2023

Após analisar o comportamento do consumidor em 2022 e estudar o que vai ser desejado em 2023, hora de entender como as marcas devem se colocar no mercado para continuar progredindo no mercado

Visando auxiliar os contribuintes do Fundo Nacional de Desenvolvimento de Suínos (FNDS), a Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS) traz o segundo boletim de tendências para que 2023 se torne um ano de sucesso para o setor suinícola brasileiro. Na última quinta-feira (5) publicamos um boletim de tendências analisando o comportamento dos consumidores no ano de 2022. A partir dele, entendemos o que as pessoas desejarão comprar e como elas farão isso em 2023. Agora, é o momento de apresentar as tendências de marketing digital para que as empresas atendam as necessidades dos consumidores e consigam se manter e prosperar no mercado. 

Marketing de influência 

Que  marketing é fundamental para os negócios todo mundo sabe, mas em 2023, o foco será o marketing de influência, que tem se mostrado muito eficiente e adquirido mais força na economia criativa com o surgimento de centenas de creators e muito investimento. Segundo uma pesquisa realizada pelo YouPix, 76% dos consumidores compram produtos recomendados por influenciadores, e 69% das lembranças de anúncios vem de publicidades feitas por influencers. Em 2022, 71% das marcas fizeram investimento em marketing de influência. Ainda de acordo com a pesquisa, nos próximos 5 anos, 1 bilhão de pessoas vão se identificar com criadores de conteúdo, que estão começando a migrar das redes sociais, para startups. Já de acordo com dados da Hype Auditor, quando se trata de atividades das marcas no marketing de influenciadores, o Brasil ocupa o segundo lugar no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, mostrando a boa recepção do país a essa estratégia que une engajamento e comunidade.

Reumanização das redes sociais 

Seguindo a tendência da insatisfação de usuários e criadores de conteúdo com o algoritmo que dita o funcionamento das plataformas tradicionais e a crítica à superficialidade das redes sociais, em conjunto com a hiperdigitalização que levou as ferramentas de comunicação à exaustão, surge uma nova demanda, a reumanização das redes sociais. A YouPix aponta que com a desumanização causada por esse consumo de conteúdo algorítmico, criadores e marcas terão que buscar novas maneiras de construir relações e gerar conexão, pois a atenção tende a ficar cada vez mais seletiva e os consumidores precisam ter uma carga de propósito e utilidade mais clara, alterando a forma de criar e consumir conteúdo. Ao mesmo tempo, tem surgido cada vez mais novas redes que prometem retornar às raízes de comunidade das redes sociais, como o BeReal, além de uma migração de criadores de conteúdo para startups com diferentes regras de funcionamento e melhor remuneração. 

Cultura do propósito 

Ainda de acordo com a YouPix, a grande crise vivida pela atualidade é a de confiança, e ela também afeta as marcas. Para 91% dos brasileiros que participaram da pesquisa da Edelman Trust Barometer de 2022, confiar na empresa é mais importante do que amá-la (69%). Ou seja, não basta mais trabalhar só no tal do “Brand Love”, os consumidores querem que as marcas liderem ações focadas em muito mais do que seus produtos ou serviços. O papel social da marca deixou de ser opcional. É aqui que entra o “Brand Equity”, o valor que uma marca tem, vai depender cada vez mais da forma como ela dialoga e age em relação às questões importantes e problemas intrínsecos da sociedade hoje.

Compras online crescem

Depois do forte avanço durante a pandemia, o volume de vendas virtuais cresce 6% no primeiro semestre de 2022, e o número de consumidores conectados avança 18% no mesmo período, somando 49,8 milhões de pessoas, de acordo com o relatório Webshoppers 46, elaborado pela NielsenIQ Ebit em parceria com a Bexs Pay. No mesmo período, o e-commerce atingiu a marca de R$ 118,6 bilhões em vendas no país, alta de 6% em comparação com o primeiro semestre de 2021.

As compras de supermercados foram as que mais cresceram no espaço virtual. O levantamento aponta um salto de 128% nos pedidos de Alimentos e Bebidas entre o primeiro semestre de 2022 e o mesmo período de 2021. Além disso, a avaliação da importância desses produtos dobrou, saindo de 6%, no último ano, para 12%, no primeiro semestre. As mulheres aumentaram a presença no número de pedidos de e-commerce no Brasil. De janeiro a junho de 2022, a presença delas subiu para 56,9%. No aspecto de maior volume de gastos, os homens continuam em destaque, segundo o relatório Webshoppers. No primeiro semestre de 2022 a participação masculina foi de 54,3%.

Grandes redes do varejo alimentício agora estão no Shopee

Em 2022 grandes redes de varejo como o Oba Hortifruti, Pão de Açúcar e Dia se juntaram ao Shopee, uma plataforma asiática de vendas on-line, que vem ganhando espaço no Brasil desde 2019 e hoje é a companhia mais procurada pelos consumidores do país. Com a comercialização de produtos não perecíveis, como bebidas alcoólicas, refrigerantes, biscoitos, alguns tipos de produtos lácteos, arroz, feijão, café, macarrão, pão, itens de limpeza e de higiene pessoal, a plataforma oferece desconto no valor da compra, cashback e frete grátis, como forma de fidelizar os clientes. 

Para as redes é uma forma de se fazer mais presente e próxima dos consumidores, mostrando a importância de diversificar os espaços de atuação. Segundo uma publicação do jornal UOL, a meta do Pão de Açúcar é que as vendas online cheguem a 20% das vendas totais do grupo até 2024, hoje elas são cerca de 11%. No terceiro trimestre de 2022, o grupo vendeu R$ 409 milhões pela internet, um crescimento de 8% em comparação com o terceiro trimestre de 2021. 

O Pix veio para reinar 

Conquistando a preferência dos brasileiros em função de sua facilidade e conveniência, o PIX se torna o meio de pagamento mais usado no Brasil. O sistema criado pelo Banco Central conquistou a preferência dos brasileiros, superando transferências bancárias e cartões de crédito e débito. Desde o lançamento há dois anos, foram realizadas mais de 26 bilhões de transações, que movimentaram R$ 12,9 trilhões. O sistema conta com 779 instituições financeiras participantes e mais de 478,3 milhões de chaves cadastradas. Os dados são de um levantamento feito pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), com base em números do Banco Central, publicados pelo Correio Braziliense.